quarta-feira, 17 de julho de 2013

COMPOSTAGEM

COMPOSTAGEM

O que é?


A compostagem é um processo biológico em que os microrganismos transformam a matéria orgânica, como estrume, folhas, papel e restos de comida, num material semelhante ao solo, a que se chama composto, e que pode ser utilizado como adubo.


                     Adubo Resultante de Compostagem

Situação no Brasil


Apesar de os resíduos sólidos domiciliares no Brasil apresentarem alto percentual de resíduos orgânicos, as experiências de compostagem da fração orgânica são ainda incipientes.
O resíduo orgânico, por não ser coletado em separado, acaba sendo encaminhado para disposição final junto com os resíduos perigosos e com aqueles que deixaram de ser coletados de maneira seletiva. Esta forma de destinação gera, para a maioria dos municípios, despesas que poderiam ser evitadas caso a matéria orgânica fosse separada na fonte e encaminhada para um tratamento específico, por exemplo, via compostagem (Massukado, 2008).

A Lei no 12.305/2010, em seu Artigo 3o, inciso VII, considera a compostagem como uma forma de destinação final ambientalmente adequada de resíduos. Cabe destacar que esta mesma lei estabelece como prioridade para a gestão e o gerenciamento dos resíduos sólidos (Artigo 9o) “a não geração, redução, reutilização, reciclagem, tratamento dos resíduos sólidos e disposição final ambientalmente adequada dos rejeitos”.

No geral, tem-se que de um total estimado de matéria orgânica coletada, ou seja, 94.309,5 t/dia apenas 1,6% dos resíduos orgânicos são destinados para unidades de compostagem, sendo o restante encaminhado para outros destinos finais, destacando-se lixões, aterros controlados e aterros sanitários.

Verifica-se, portanto que o processo de tratamento da fração orgânica via compostagem é ainda pouco utilizado em programas municipais de gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos. Os motivos são a dificuldade de se obterem os resíduos orgânicos já separados na fonte geradora; a insuficiência de manutenção do processo; o preconceito com o produto; e a carência de investimentos e de tecnologia adequada para a coleta deste tipo de material (Massukado, 2008).

                                                                  Fases da Composteira 

É esperado que o atual cenário de compostagem no Brasil possa ser melhorado em virtude dos conteúdos estabelecidos nas Leis no 11.445/2007 (Saneamento Básico) e no 12.305/2010 (Política Nacional de Resíduos Sólidos). A primeira estabelece, em seu Artigo 7o, entre as atividades dos serviços públicos de manejo de resíduos sólidos, o tratamento dos resíduos domésticos e daqueles oriundos da limpeza de logradouros e vias públicas, “inclusive por compostagem”. A segunda lei considera, em suas definições, a compostagem como uma forma de destinação final ambientalmente adequada para os resíduos sólidos e atribui ao titular dos serviços públicos de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos a compostagem dos resíduos sólidos orgânicos (Brasil, 2010a).

E em tempo de restrição a comercialização da minhoca, seu alto custo, uma boa idéia é a compostagem associada a criação desta poderosa isca que é a minhoca californiana. É aquela velha história, que parodiamos: quem não tem isca cuiabana, pesca com minhoca californiana.

Muito se fala sobre reciclagem de papel, vidro, plástico e outros materiais que podem ser reaproveitados para outros fins. Mas também é possível reciclar lixo orgânico, transformando o que iria parar em lixões e aterros sanitários em um poderoso adubo para plantas. E a grande aliada nesse processo é uma espécie de minhoca, a californiana vermelha.



                                   Minhoca Californiana

Criado a partir de um trabalho para o curso de Biologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o 'Minhocário' foi aperfeiçoado e hoje é um dos projetos mais importantes da ONG Nosso Lixo. Em Florianópolis, a ONG disponibiliza minhocários para quem quiser, basta acessar o site, clicar no link "Adquira Seu Minhocário", preencher o formulário e aguardar o contato dos organizadores.

O sistema leva terra e três caixas de plástico e cabe inclusive em apartamentos. Só é preciso alimentar as minhocas com o que iria para o lixo - restos de alimentos, legumes e frutas em decomposição, borra e filtro de café, sachê de chá, pão, casca de ovo, guardanapos, jornais e até da poeira varrida com a vassoura.

Cerca de um terço dos alimentos produzidos no mundo vão para o lixo, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Só no Brasil, o que se joga fora de comida daria para alimentar 30 milhões de pessoas. Cada pessoa gera cerca de um quilo de lixo por dia, e mais da metade disso é orgânico. A partir daí, esse lixo vai parar nos lixões e aterros sanitários, vira chorume, que contamina as águas subterrâneas e produz gás metano, que também agrava o efeito estufa e atrai ratos, moscas e baratas, que transmitem doenças.

Através do minhocário, é possível reduzir em média 50% dos resíduos sólidos que vão para a coleta convencional e ainda produzir húmus, um adubo natural de jardim. E isso sem odor, moscas e sem possibilidade de que as minhocas escapem. (Fonte G1 e http://www.nossolixo.org/site/).

Veja vídeo em:

http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=wyVYdJMfm7E

Nenhum comentário:

Postar um comentário