quarta-feira, 9 de dezembro de 2009


TECNOLOGIA X ETA TIJUCAL

HISTÓRIA

A primeira tentativa de se ter um controle automatizado dos processos no ambiente de Saneamento no Estado de Mato Grosso, ocorreu na década de 80/90 quando um grupo de técnicos projetou e implantou um sistema de monitoramento de níveis dos reservatórios do Morro da Colina, Bosque da Saúde, e da Eta; e utilizando a transmissão de corrente continua, por meio de cabos telefônicos (LP), e tendo no reservatório resistências em série, e na Eta São Sebastião galvanômetros que indicava a corrente transmitida, que era calibrado em altura do nível dos reservatórios. Foi a idade da Pedra, que na época, contribuiu com a racionalização de pessoal, gerou economia, e melhorou a administração do sistema de distribuição.

A NOVA GERAÇÃO DE CONTROLES

Com o advento da Eta Tijucal, devido a sua importância e ambiente operacional onde em um único espaço será operado treis estações, tornou-se fundamental que se incorporasse uma tecnologia de controle para que se pudesse operar com segurança e baixo custo, treis Etas simultâneas; assim foi projetado e está em fase de montagem as seguintes inovações tecnológicas.

1 – Captação de água Bruta no Rio Coxipó

Na Captação de Água Bruta, será utilizada apenas uma captação, com duas bombas com capacidade de 1.170 l/s, e potencia instalada de 550 Cv. Nesta unidade um painel de controle irá monitorar o nível e vazão do Rio Coxipó com informações registradas em tempo integral, além de monitorar todos os parâmetros elétricos, tais como: Amperagem, Voltagem, Fator de Potencia, entre outros, possibilitando que as manutenções preventivas possam ser efetuadas com base em informações de monitoramento. A partida do equipamento poderá ser local no modo manual, e também remota na sala de controle operacional localizada na Eta 3; A regulagem de vazão será feito no modo remoto, por meio de um bloqueio de válvula de controle auto operada, onde o operador tem na tela do computador, uma visão instantânea do percentual de abertura da válvula e a correspondente vazão.

2 – Casa de Química

Na casa de química toda vazão captada no Rio Coxipó, será medida em uma calha parshall por meio de um medidor ultrasonico; na calha parshall será adicionado o coagulante sulfato de alumínio ferroso, em estado liquido, cuja dosagem será monitorada por meio de um monitor de coagulante, que opera em conjunto com a bomba dosadora regulando a dosagem em conformidade com a turbidez de água bruta. No processo bombas de coleta de amostras irão permitir a coleta e monitoramento na Central de Controle Operacional, (CCO) dos seguintes parâmetros.

PH de Água Bruta

Turbidez de Água Bruta

PH da Água Coagulada

Turbidez da Água Filtrada

Turbidez da Água Tratada

PH da Água Tratada

Teor de Cloro Residual da Água Distribuída.

3 – Estação de Tratamento 1 e 2

As Etas 1 e 2 são respectivamente a Eta de concreto e Metálica existente, cujo abastecimento será a partir da Eta 3; Estas Etas irão receber água coagulada cuja vazão individual será monitorada por medidores eletromagnéticos do tipo inserção, que serão instalados nas linhas de 600 mm e 400 mm que interligam estas Etas com a calha parshal da Eta 3 (nova). A mudança de vazão, parada da Eta, e qualquer outra regulagem envolvendo a vazão afluente as Etas 1 e 2, será feito remotamente a partir da central de controle operacional (CCO); onde o operador por meio do mouse irá decidir qual o percentual de abertura será efetivado na válvula de controle para garantir a vazão desejada conforme necessidade do abastecimento do setor atendido pela eta.

4 – Estação de Tratamento 3 (nova)

A operação de uma Eta envolve alem da dosagem de produtos químicos, e sua análise resultante, a ações de:

Lavagem dos Filtros

Descargas Periódicas dos decantadores

Lavagem dos Decantadores

Em uma Eta do Porte da Eta 3, do Tijucal estas ações se fossem executadas manualmente demandariam uma elevação de custo com a necessidade de implementação de mão de obra, erros resultantes de controle de processo, elevação de custos com descargas desnecessárias, em excesso ou fora de uma programação pré definida, além de outros transtornos operacionais inerentes de uma planta sem controle. Portanto para garantir uma eficiente operação, isenta de riscos, econômica e de elevada performance foi projetado e estão em fase de instalação, os seguintes controles:

Decantador: A Eta é dotada de 12 câmaras de decantação em série, sendo que cada câmara foi dotada de uma válvula de descarga, controlada por CLPs, e sensores que irão propiciar descargas automáticas, conforme um plano operacional definido pelo operador, e em tempo de duração em conformidade com a quantidade de lodo gerado no período.

Filtros: A operação dos filtros será monitorada por um sensor de nível que controla o “empachamento”, e aciona o alarme da necessidade de lavagem, que pode ser no modo manual ou automatizado; e em qualquer dos modos haverá uma seqüência operacional com a ação de sopradores e compressores no gerenciamento de aberturas de válvulas, em uma seqüência que garanta que o efluente de 07 (sete) filtros lave 01 (um).

5 – Reservatórios na Eta

Todos os reservatórios da área da Eta, em um total de 04 (quatro) unidades terão os níveis monitorados por células capacitivas, que permitem ao operador gerenciar os níveis com precisão milimétrica.

6 – Elevatórias de Água Tratada

As Etas do Tijucal serão dotadas de 02 (duas) grandes elevatórias, sendo a existente denominada Elevatória 01, e a em execução a Elevatória 02; Na elevatória 01 estarão instaladas as bombas que irão abastecer os centros de reservação dos Bairros Nova Esperança, Manduri, Distrito Industrial e Pedra 90; e aquelas que irão abastecer o centro de reservação do Tijucal.

Na elevatória 02 estarão montadas as bombas que alimentarão os centros de reservação do Santa Cruz, Belvedere, Cpa, Altos da Serra e Sanecap; Todas estas moto bombas serão monitoradas remotamente, tendo o operador no Centro de Controle Operacional, as informações inerentes a vazão, e todos os parâmetros elétricos tais como Amperagem, Voltagem, Fator de Potencia entre outros. Serão disponibilizados ainda aos operadores e supervisores o registro diário de todas as informações e alarmes gerados na operação da eta, e que poderão ser manipulados em planilhas do Excel, ou texto do Word, alem de que para qualquer cidadão que tiver curiosidade sobre a operação da eta; poderá acessar via internet todas às informações disponibilizadas aos operadores, sendo-lhes cerceada apenas o direito de intervir remotamente, exceto criticas ou sugestões via email ou telefone.

7 – Reservatórios, Elevatórias e Redes de Distribuição.

O Centro de Controle Operacional da Eta foi dimensionado para gerenciar todos os níveis dos reservatórios externos a Eta, e localizados nos bairros; Nova esperança, Manduri, Del Rey, Pedra 90, Distrito Industrial, Santa Cruz, Belvedere, Altos da Serra, Cpa, e Sanecap, alem das elevatórias de cada um dos centros de reservação referenciados, sendo possível ao operador ter controle sobre todos os parâmetros hidráulicos e elétricos de todos os centros de reservação, ligar e desligar as moto bombas, e decidir sobre a operação das elevatórias.

Na rede de distribuição sensores de pressão estrategicamente instalados, fornecerão informações vitais a operação da distribuição de água, permitindo que as ações de manutenção preventiva e ou corretiva possa anteceder a reclamações de falta dágua, e ou rompimento de tubulações nas áreas monitoradas.

Documentário Fotográfico

Monitores de parâmetros Químicos da ETA Monitor de Coagulante Centro de Controle Operacional na Eta

Uma das Telas do Centro de Controle Válvula Auto Operada Valmicro Vista Interna de Um dos Seis Painéis

Projetos Hidráulicos, e Controle Operacional: Jorcy Francisco de França Aguiar – Guilherme Julio Muller de Abreu Lima.

Projetos de Supervisão, Parametrização, e Programação de Gerenciamento: Jeyson Berlanda.

Execução do Projeto: Eng. Civil Paulo Vinicius Capistrano

Empresa: Conspavi - Construção e Participação Ltda.

Nenhum comentário:

Postar um comentário