quarta-feira, 12 de maio de 2010

GOLPE DE ARIETE – Parte 3

GOLPE DE ARIETE – Parte 3

Parte 3 – Evitando os efeitos do “Golpe de Ariete”

Lembra-se de como é possível realizar a pancada? (Veja Golpe de Ariete Parte 1), “Pois Intão”, tudo começa com o liquido continuando com o seu movimento mesmo após a parada da bomba, e ao percorrer uma longa distancia volta como um ariete e choca-se contra uma válvula assentada após a bomba, gerando um verdadeiro tsunami, com elevada pressão e uma velocidade da onda que atinge toda tubulação numa onda de pressão.

Se é só isto, vamos consultar o “arquiteto do castelo”, e buscar uma solução, que tem que se concentrar no objetivo de evitar o retorno da massa liquida, e nesta condição a primeira solução é a instalação do VOLANTE DE INÉRCIA.

VOLANTE DE INÉRCIA, é um grande disco que instalado entre a bomba e o motor tem a função de manter a bomba operando por um tempo igual ao tempo de parada, e assim garante que o tubo continue sendo preenchido pelo liquido bombeado mesmo com a ausência de energia. Isto ocorre porque sendo um grande volante, pelo principio da inércia, este tende a manter o seu estado de movimento com uma energia maior. Nesta condição quando a coluna atingir a velocidade zero esta tem inicio na bomba e não há coluna de retorno, e não havendo coluna de retorno não há o Golpe, não haverá a pancada, Simples não?

O problema é que didaticamente é muito simples....porém imagine uma instalação com um volante de inércia de um metro de diâmetro, ou mais, e a energia elétrica para retira-lo da inércia no instante da partida? Resultado: é um grande trambolho que ninguém ousa utiliza-lo.

Então vamos achar uma outra solução para evitar esta coluna de vácuo que é aberta na parada e que permite o retorno da coluna. Particularmente a solução que eu acho mais simples, mais econômica, e mais funcional, é o enchimento desta coluna no momento em que é formada. Como? Simples.......Constroi-se um reservatório externo, sendo alimentado por uma fonte dotada de bóia de nível, e interligado a tubulação de recalque por uma linha dotada de uma válvula de retenção, que no instante da parada, descarrega 1/3 de seu volume para o interior do tubo; pronto....quando a velocidade zerar, e for iniciado o período de retorno o tubo estará cheio e o golpe evitado. Este sistema chama-se TAU (Tanque de Alimentação Unidirecional).
Quando a pancada é pequena, a solução está no uso de válvulas de retenção, única ou por meio de seccionamento do trecho de tubulação, fracionando assim a pancada.

O assunto não está esgotado, porém o nosso objetivo é dar um entendimento simplista, para um assunto que existe inúmeras ferramentas, e modelagens matemáticas para a sua solução. Cada caso é um caso em particular, e deve-se dedicar uma importância a este dimensionamento, sob pena de prejuízos as instalações, com rompimentos de tubulações, deslocamentos de curvas, tês, etc.....

As válvulas de controle de bombas ocupam lugar de destaque no sistema de controle.......e prevenção de golpes de ariete.

O efeito BENÉFICO do golpe de ariete é o seu aproveitamento no dimensionamento de Carneiro Hidráulico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário