Mostrando postagens com marcador Infiltração. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Infiltração. Mostrar todas as postagens

sexta-feira, 21 de setembro de 2012

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NA REDE DE ESGOTO


INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NA REDE DE ESGOTO

 

 

Decisões incorretas  quanto ao per capita, levam o projetista a cometer erros de superdimensionamento, assim como a adoção de valores questionáveis de infiltração na rede podem elevar os custos das obras de Esgotamento sanitário e até inviabilizá-las.

 

As redes de esgotos podem ser construídas, ACIMA ou ABAIXO do lençol Freático, sendo que no primeiro caso o problema é minimizado na prática, porém os cuidados com a execução não devem ter menor rigor.

 

A infiltração de água subterrânea nos sistemas de esgotamento ocorre quando estes estão assentados abaixo do nível do lençol freático, principalmente quando tal nível é alto ou devido às excessivas chuvas sazonais.

As águas de infiltração são águas subterrâneas originárias do subsolo que penetram indesejavelmente nas canalizações da rede coletora de esgotos por diversos meios:

·         Pelas paredes das tubulações,

·          pelas juntas mal executadas,

·          pelas tubulações defeituosas,

·         Pelas estruturas dos poços de visita e das estações elevatórias, etc.

 

O escoamento em sistemas de coletores de esgotos geralmente não ocorre sob pressão e o fluxo dentro desses coletores é por gravidade, e, portanto, tal infiltração não é somente possível como também as vezes considerável.

A quantidade de infiltração contribuinte ao sistema de esgotos depende da qualidade e do tipo de construção das tubulações e das juntas: tipos de materiais empregados, estado de conservação, condições de assentamento destas tubulações e juntas, e também das características relativas ao meio: nível de água do lençol freático, clima, composição do solo, permeabilidade, vegetação, etc.

O conhecimento do valor da infiltração em redes coletoras de esgotos é muito importante em projetos de redes de coleta de esgotos sanitários, pois na determinação de vazões, influenciará no dimensionamento da rede coletora, das elevatórias e da estação de tratamento.

Geralmente não há a preocupação em se verificar os valores reais de infiltração que ocorrem na rede coletora de esgotos de uma cidade, e assim, adotam-se valores muito diferentes dos que realmente ocorrem, levando o projetista a tomar decisões questionáveis.

 

A Norma técnica ABNT NBR 9649:1986 fixa as condições exigíveis na elaboração de projeto hidráulico-sanitário de redes coletoras de esgoto sanitário, funcionando em lâmina livre, observada a regulamentação específica das entidades responsáveis pelo planejamento e desenvolvimento do sistema de esgoto sanitário, e recomenda que a taxa de contribuição de infiltração depende de condições locais, tais como:

 

·         Nível de água do lençol freático

·         Natureza do subsolo

·         Qualidade de como será executada a rede

·         Material a ser utilizado na tubulação

·         Tipo de junta

·         Tipo de PVs

 

A Norma recomenda ainda que não havendo estudos locais conforme citado acima, e que devem ser comprovados por meio de pesquisas, podem ser adotados os seguintes valores;

 

Taxa de Contribuição de Infiltração: (Txi) 0,05 a 1,0 l/s.Km, percebe-se pela norma que as taxas de infiltração recomendadas são estimadas adotando-se valores conservadores como se a rede estivesse inteiramente sob o nível de lençol freático, fato muito poucas vezes observado em cidades do Mato Grosso.

 

Assim em uma cidade média com 50 Km de redes o projetista poderá adotar uma vazão entre 2,5 l/s até 50 l/s.

 

 

Para a cidade citada, se fosse adotada taxa de infiltração, por exemplo, de 0,5 l/s.Km, conforme o intervalo recomendado pela norma (0,05 a 1,0 l/s.Km), com a extensão de 50 Km de rede na bacia estudada, a vazão de infiltração calculada seria 25 l/s, ou seja, se não houver nenhuma condição desfavorável conforme descrito, poderemos estar com um superdimensionamento da rede e da ETE.

 

Desta forma, é recomendável que sejam adotados estudos especiais de geotécnica, em fases de anteprojetos de sistemas de esgotos, permitindo a realização de cálculos e dimensionamentos mais precisos e fundamentados, proporcionando um projeto ajustado a realidade, e podendo-se fazer mais com menos recursos financeiros.

 

Em qualquer situação porém o projeto fica vulnerável a forma como será executado e fiscalizado, pois de nada adianta os cuidados preliminares se tivermos uma péssima execução da obra.



                                                                                            Neste PV não haverá infiltração

 

    Se bem construído este PV também não permite infiltrações, estando acima do lençol


                                                                                                                     PV suscetível de Infiltrações