terça-feira, 30 de agosto de 2011

MEDIÇÃO DE VAZÃO DO RIO QUEBÓ

MEDIÇÃO DE VAZÃO DO RIO QUEBÓ

Parte 1 – PREPARATIVOS PARA A VIAJEM

Na rotina de trabalho do engenheiro projetista, inclui as inspeções de campo, visto que o mesmo deve ter como regra fundamental, que preliminarmente a qualquer projeto, deve-se fazer uma minuciosa inspeção de campo, onde devem ser registradas todas as peculariedades envolvendo o projeto.

E lá estava eu preparando para deslocar até o Rio Quebó, numa ensolarada manhã de sábado, quando lembrei-me de uma crônica escrita pelo eng. Manoel Henrique Campos Botelho, em seu livro “Manual de Primeiros Socorros do Engenheiro e do Arquiteto” em 1.984, e apesar de nossa evolução tecnológica, com GPS, Notebooks, Foto digital, entre outros, resolvi copilar a crônica a seguir como preâmbulo, de minha atividade de medição de vazão no Rio Quebó.

0 ENGENHEIR0 QUE VEIO DE LONGE

Um dia, por razões que cada leitor imaginará, uma firma de projetos em que eu trabalhava teve que contratar um engenheiro consultor estrangeiro. Eu chefiaria a equipe brasileira que acompanharia e daria suporte aos trabalhos desse engenheiro. A perspectiva de um trabalho comum foi encarada um pouco com curiosidade e um pouco com preocupação. O dito cujo foi recebido sem festas, mas também sem hostilidades. Havia uma expectativa no ar.

As coisas ficaram feias quando se decidiu o que ia o homem fazer: chefiar as equipes do levantamento de campo, quaisquer que eles fossem, levantamentos urbanos, hidrológicos, cadastrais, sedimentológicos, etc. etc. Trazer alguém de fora para conduzir levantamentos de campo?

E nós não sabíamos fazer levantamentos de campo? Mas ordens são ordens e iniciou-se o trabalho em comum. Foi marcada uma reunião do grupo do qual eu fazia parte, para planejar a inspeção do dia seguinte, referente ao levantamento urbano e populacional de uns bairros periféricos de São Paulo e que daria origem a um estudo demográfico e sanitário.

Na reunião, lá veio o personagem em pauta com uma conversa esquisita. Queria o dito cujo saber que roupa usaríamos na inspeção de campo (I), e queria conhecer a mala (?) de apetrechos que costumávamos usar nesses levantamentos. Não entendi a pergunta. Sempre fiz anotações de campo em folhas usando, como é lógico, uma caneta esferográfica que eu nem precisava levar, pois o motorista do carro sempre tinha uma em seu poder.

Quanto ã roupa da inspeção (?) que podia ser além de uma velha calça rancheira e uma eventual bota, que, aliás, era meio incomoda, face a um eterno prego que um dia eu ainda mandarei o sapateiro tirar. Mas até aí as perguntas do dito cujo eram só surpreendentes ou curiosas, mas não absurdas. Absurdo foi quando ele me perguntou se o roteiro do meu relatório de campo já estava pronto, pois o dele já estava,

Descobri tudo. Além de receber em dólares por uma inspeção de Campo, o danado já trouxera o relatório pronto (?). Como pode? Mas ordens são ordens como já disse, e como tenho dois guris para alimentar não botei a boca no trombone e me preparei para iniciar no dia seguinte o mais inusitado de todos os levantamentos de Campo da minha vida. — Uma inspeção de campo que já tinha relatório pronto?

 
As surpresas continuaram no dia seguinte. O "homem“ surgiu no local de encontro como uma figura ridícula. Chapéu de abas largas, calça com elástico na cintura, bombachas na perna, além de previsível bota (possivelmente sem pregos) e carregando uma misteriosa mala preta.

Como em geral esses homens não gostam de abrir as caixas pretas digo malas pretas, não perguntei o que tinha lã dentro. Saímos para a histórica inspeção. Andamos em ruas esburacadas e enlameadas e pulamos por cima de córregos poluídos, paisagens típicas de nossa pobre periferia, Tenho que reconhecer que calças com elástico na cintura dão maior mobilidade que calças com cintas de couro (questão de módulos de elasticidade diferentes dos dois materiais teria comentado o meu velho professor de Resistência de Materiais). Não pude, pelo exposto, acompanhar em todas as andanças o personagem em foco, pois eu não queria sujar demais minha calça nova de gabardine já que a minha calça rancheira estava lavando exatamente no dia da inspeção.

Tive que reconhecer intimamente que nessa questão é que o ridículo chapéu de abas largas realmente protege a cabeça quando o sol esta a pino?

Tão logo deslanchou a inspeção, começou a se abrir a enigmática mala preta. E não é que o homem tinha levado caderno, prancheta de mão, lápis de várias cores, borracha, escala, trena, cartões de visita, binóculo, termômetro, nível de mão, fio de prumo, bússola, canivete de mil e uma utilidades, e mapas da região? Neste ponto eu não falhara. Eu tinha levado minhas folhas soltas, e, como previa, não faltou caneta esferográfica, emprestada do motorista que nas horas de carro parado, preenchia mil volantes em branco da loteria esportiva na tentativa de cercar a zebra.

Como o último coelho que os mágicos tiram da cartola, o colega tirou da mala preta uma máquina polaróide e foi tirando fotos instantâneas dos locais visitados e escrevia no verso o que significava cada uma.

A inspeção ia bem. Eu procurava olhar e gravar tudo o que via, pois sou ótimo observador o consultor em oposto devia ter péssima capacidade, de julgamento, pois anotava tudo, media tudo e escrevia tudo no seu caderno sobre a prática prancheta de mão. Até alguns desenhos ele podia fazer face ao enxoval que trouxera. Ainda voltamos cedo para o escritório e decidimos começar a escrever o relatório da inspeção ao campo. Aliás quem ia escrever era só eu, pois o colega não já o tinha trazido pronto lã do hemisfério norte? Fui olhar de soslaio a sua famosa minuta do relatório. A minuta era um tipo de relatório padrão em que o relator devia tão somente preencher os claros e os dados faltantes como que seguindo um roteiro básico. O relatório padrão sugeria pois, que fossem preenchidas informações tais como: data, número de contrato, pessoas que participaram da inspeção, quilometragem de inicio e fim do uso do carro, ocorrência de chuvas, temperatura local, as plantas e mapas que orientaram os levantamentos etc., etc. É, dificilmente alguma coisa escaparia.

John terminou rápido seu relatório, anexando suas fotos e colocando tudo o que medira, registrara e anotara. O relatório dele ate que ficou bom. Quanto ao meu, bem ... decidi começar a escrevê-lo em casa, depois que as crianças dormissem.

Não escrevi o meu relatório, escrevi esta crônica.

Continuação: Medição de vazão no Rio Quebó



Nenhum comentário:

Postar um comentário